Opúsculos por Alexandre Herculano - Tomo I by Alexandre Herculano


Main
- books.jibble.org



My Books
- IRC Hacks

Misc. Articles
- Meaning of Jibble
- M4 Su Doku
- Computer Scrapbooking
- Setting up Java
- Bootable Java
- Cookies in Java
- Dynamic Graphs
- Social Shakespeare

External Links
- Paul Mutton
- Jibble Photo Gallery
- Jibble Forums
- Google Landmarks
- Jibble Shop
- Free Books
- Intershot Ltd

books.jibble.org

Previous Page | Next Page

Page 1


cousas da imprensa, hesitei muito tempo em acceder aos seus intuitos.


emfim, ancorado no porto tranquillo e feliz do silencio e da
obscuridade. Olhava com uma especie de horror para as vagas revoltas da
immensa lucta das intelligencias, contraste profundo da vida rural a que
me acolhera. Depois, o espirito sentia bem a propria decadencia, cujos

Reflectia, sobretudo, no tedioso de rever escriptos, parte dos quaes


















do espirito. O incompleto, o barbaro, o vicioso, o tolhido, o


indesculpaveis.





os desejos dos meus editores, desejos que o ultimo d'elles, pouco antes
de fallecer, ainda vivamente manifestava.

Mas, o que era na realidade esta repugnancia ao trabalho, embora fosse


prenuncio da completa, da eterna paz. Para vencer esta enfermidade dos



vida rural.

Para o velho que vive na granja, na quinta, no casal, como que perdidos
por entre as collinas e serras do nosso anfractuoso paiz, ha na




sobre o espirito. Para o velho do ermo, nesses intervallos da vida

dormente e espraiar-se pela sua superficie. A leitura raramente o




cella do estudo de turbulencias interiores, de arrebatamentos


existencia. Desfallece-lhe o animo, mal tenta embrenhar-se na selva das



profundo, e as passadas tenebrosas da noite, e o surgir e o galgar do
sol ao zenith, emquanto a penna inspirada arfava, deslisando sobre o





o esmorecer e passar do vigor e da actividade intellectual com a propria
somnolencia do espirito, voluptuosidade da velhice, ameno e dourado

illumina suavemente. Mas o dormitar do entendimento, para ser deleitoso


interminaveis noites de inverno, a inercia da intelligencia, que vagueia
no indefinito sem o norte da realidade, vai-se convertendo pouco a pouco
em intoleravel tormento; tormento no qual ha, por fim, o que quer que


extremidade, por mais somnolenta e obscurecida que esteja a mente, por
mais que ella ame o repouso, o trabalho do espirito, ainda o mais arido,


Previous Page | Next Page


Books | Photos | Paul Mutton | Sun 15th Sep 2019, 16:40